Pular para o conteúdo principal

Groundwater Camp - Programa PIA

O Diretor da ECD Sondagens Ambientais Marcos Tanaka Riyis participou, junto com outros 23 profissionais, do Groundwater Camp, uma etapa do Programa PIA desenvolvido pela Câmara Ambiental do Comércio de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo.
Foi um curso e treinamento excelente, que certamente contribuiu muito com a formação dos profissionais que lá estiveram, e permitiu uma grande troca de experiências, práticas e idéias. Os profissionais tinham diversas formações (Geólogos, Engenheiros, etc), origens geográficas (São Paulo - capital e interior, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul) e profissionais (Consultorias, Setor Público, empresas terceirizadas de sondagem e amostragem, etc), o que melhorou ainda mais o nível do evento.
Os docentes convidados (Vicente Aquino Neto, da CETESB, Claudia Varnier, do Instituto Geológico e Paulo Negrão, da Clean) fizeram ótimas explanações, esclareceram muitas dúvidas dos profissionais e permitiram uma troca aberta de idéias e experiências.
O primeiro dia foi dedicado à contrução, projeto, instalação e desenvolvimento de poços de monitoramento, de acordo com a norma brasileira 15.495 (partes 1 e 2), que contou com uma demonstração em campo da instalação de 1 poço de monitoramento realizado pelo método Hollow Stem Auger com uma sonda montada sobre esteira, da marca Geoprobe. Além da excelente parte teórica, mostrando os detalhes da norma e o que realmente é para ser levado em conta na instalação de um poço de monitoramento (e raramente é feito), foi possível observar, na prática, as dificuldades e imprevistos que ocorrem durante a sondagem.
O segundo dia foi dedicado à Hidrogeologia, teoria e interpretação dos ensaios mais utilizados: Slug Test, Bail Test e Ensaio de Bombeamento. Percebeu-se que a condutividade hidráulica é muito mais difícil que apertar os botões do Aquifer Test.
O terceiro e último dia foi dedidcado à amostragem de água subterrânea de acordo com a norma de purga e amostragem NBR 15.847. Um tema de certa forma polêmico e com uma série de variáveis, que foi muito bem explorado. Mais uma vez ficou claro que fazer o trabalho corretamente faz uma enorme diferença na interpretação dos resultados, e que isso, obviamente, tem um custo.
Para a ECD, o evento foi riquíssimo, tanto em termos de conteúdo, quanto em idéias para melhorar a prática das sondagens e amostragens, em troca de idéias, em divulgação do nosso trabalho, em conhecer pessoalmente as pessoas com quem só conversamos ao telefone, e em contribuição para que os trabalhos de investigação e remediação de áreas contaminadas fiquem cada vez melhor.
O único detalhe é que um evento desse nível e desse gabarito não contou com a presença maciça dos profissionais que atuam na área, especialmente das consultorias. Recomendo fortemente que esses estejam nos próximos cursos do programa. Realmente vale a pena

Sorocaba, 16 de novembro de 2010

 1o Dia - Apresentação Vicente

 3o Dia - Apresentação Paulo Negrão

2o Dia - Ensaios Hidrogeológicos (Não, não é hora de folga...)
 
 Vejam a distância do campo de provas para a sede do hotel: exercício não faltou...

 No final, a prova

Comentários

  1. Marcos, excelente post! Fico muito feliz por saber que vc gostou do curso. Seu feedback é muito importante e valioso. Um grande abraço,
    Paulo Negrão

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Power Probe da ECD em Cubatão

Essa semana a Power Probe da ECD está realizando um trabalho em Cubatão. Como todos que trabalham com Investigação Geoambiental sabem, na região de Cubatão, o nível de água costuma ser raso e o solo é muito arenoso ou orgânico, típico de mangue. O trabalho realizado pela ECD era coletar amostras de solo com liner (via Direct Push) a até 5,0 m de profundidade. O nível de água do site era cerca de 0,5 m. Pode-se imaginar a dificuldade do trabalho.
A equipe de Investigação Geoambiental da ECD foi ao local com a Power Probe, recém adquirida da AMS  Inc, fábrica dos EUA. A única forma de obter amostras representativas era utilizando a ferramenta Piston Sampler. Alguns leitores podem perguntar o porquê dessa afirmação. Vamos tentar responder: Se o solo é muito arenoso ou com nível de água muito raso, a tendência é que o furo de sondagem desmorone, ou seja, caso seja utilizada a metodologia tradicional (Single Tube, Macro Core ou Open Hole, todas as definições para amostragem com o furo abe…

Novo Equipamento da ECD - Sonda Hollow Stem Auger no Trator

No início de fevereiro de 2010, a ECD colocou em funcionamento seu 4o equipamento mecanizado:
Depois de 2 Sondas Hollow Stem Auger montadas sobre caminhão e 1 Sonda Hidráulica Portátil, agora a ECD dispõe de um Trator como plataforma para uma Sonda Hidráulica Hollow Stem Auger. Além disso, ele ainda dispõe de um martelete hidráulico de alta capacidade acoplado, permitindo amostragem de solo contínua tipo "Dual Tube", ou concomitante com a sondagem com os Trados Ocos (Hollows), ou ainda a instalação de poços de monitoramento pré-montados (pre-packed).
A grande vantagem desse equipamento é a versatilidade de sites que ele pode trabalhar, pois existe muito pouca restrição ao seu acesso. Até agora ele trabalhou em um site que o caminhão não entrava devido ao pouco espaço e em um site onde foi preciso acionar a sua tração 4 x 4, por causa de um declive acentuado e um precário acesso em terra em um dia chuvoso. Graças à plataforma ser um trator traçado, o serviço foi executado.
Essa …

Sondagem Mecanizada é Cara?

Frequentemente os clientes entram em contato conosco na ECD e nos pedem alguma proposta para sondagem e instalação de poços de monitoramento. Em geral, sugiro o uso de algum equipamento mecanizado, com as dimensões compatíveis com o acesso ao local e ao escopo que o cliente precisa. Pode ser alguma das nossas sondas sobre caminhão, a nossa sonda sobre Trator ou a nossa sonda hidráulica portátil.
Muitas vezes, o cliente pergunta se não temos Trado Manual. Respondo que não, nossos equipamentos portáteis, por enquanto, são a sonda hidráulica portátil e os Trados Mecanizados ou Hidráulicos. Esses últimos para áreas com dificuldade de acesso para os outros equipamentos. Pergunto se ele prefere esses equipamentos portáteis por questões de acesso e, em geral, o cliente diz que prefere o Trado por questões de preço.
Sem entrar no mérito de preço x qualidade, pois sabemos que muitas vezes o orçamento disponível é muito restrito e o uso do Trado é a única alternativa, vamos contar uma breve his…