Pular para o conteúdo principal

Power Probe da ECD em Cubatão

Essa semana a Power Probe da ECD está realizando um trabalho em Cubatão.
Como todos que trabalham com Investigação Geoambiental sabem, na região de Cubatão, o nível de água costuma ser raso e o solo é muito arenoso ou orgânico, típico de mangue.
O trabalho realizado pela ECD era coletar amostras de solo com liner (via Direct Push) a até 5,0 m de profundidade. O nível de água do site era cerca de 0,5 m. Pode-se imaginar a dificuldade do trabalho.

A equipe de Investigação Geoambiental da ECD foi ao local com a Power Probe, recém adquirida da AMS  Inc, fábrica dos EUA. A única forma de obter amostras representativas era utilizando a ferramenta Piston Sampler. Alguns leitores podem perguntar o porquê dessa afirmação. Vamos tentar responder:
Se o solo é muito arenoso ou com nível de água muito raso, a tendência é que o furo de sondagem desmorone, ou seja, caso seja utilizada a metodologia tradicional (Single Tube, Macro Core ou Open Hole, todas as definições para amostragem com o furo aberto) a 2a amostra não será representativa, pois, ao recolocar-se a composição no furo, esse teria material da camada superior. O site tinha as 2 condições: solo arenoso E nível de água raso. 

Uma possível solução para um caso como esse seria utilizar Trados Ocos (Hollow Stem Auger) revestindo a sondagem, ou então a tecnologia Dual Tube, realizada pelas máquinas da Geoprobe ou pelas Power Probes como à da ECD. Porém, dada a pressão da coluna de água, ao retirar-se a composição com o amostrador, a tendência é que entre solo (em geral, areia) por dentro do revestimento (Hollows ou Dual Tube) e o resultado seja novamente amostras não-representativas.

A única forma de coletar-se amostras representativas nessa condição é utilizar a ferramenta Piston Sampler, ou seja, o amostrador é cravado fechado e, na profundidade onde se pretende coletar as amostras, abre-se esse amostrador e coleta-se a amostra exatamente no local pretendido.
A Geoprobe possui esse sistema, porém, ele é de uso difícil, devido às hastes internas de diâmetro bem menor e com rosca invertida (esquerda), difícil de manusear e um pouco frágil e demorado. Alguns fabricantes nacionais copiaram esse sistema e disponibilizaram para algumas empresas de sondagem, mas a cópia não saiu boa, ocorrendo muitos defeitos nesse sistema. 
O Piston Sampler patenteado pela AMS, que a ECD adquiriu, é bem mais robusto, eficiente e rápido, e pode ser visto no diagrama abaixo. A ponteira interna, que fecha o amostrador, é bem forte para aguentar a força do "hammer" hidráulico da máquina, e não é preciso rosquear nada, basta sacar a composição interna que o amostrador fica "livre" para fazer o seu trabalho
Se o profissional que trabalha com investigação geoambiental teve experiências ruins com o Piston Sampler de outro fabricante, veja o material da AMS, exclusivo para as Power Probes, que realmente é de categoria bem superior, especialmente se comparado aos sistemas nacionais.

Piston Sampler da ECD fabricado pela AMS

Um outro detalhe importante é que, nesses casos, mesmo com o uso adequado do Piston Sampler, pode ocorrer de ser difícil recuperar amostras, pois o solo amostrado está totalmente saturado e não tem coesão suficiente (areia saturada), portanto, não recupera bem nos liners. O equipamento da ECD, fabricado pela AMS, possui "molas" ou retentores de amostra (foto abaixo), que facilita muito essa recuperação. Somente os equipamentos da Geoprobe ou da AMS possuem essas molas que fornecem uma qualidade muito superior da amostra.

Diretor Geral da ECD Manoel Riyis Gomes com as molas retentoras de amostra

Em resumo: um trabalho que, há 1 ano atrás seria praticamente impossível de ser realizado corretamente, essa semana a ECD conseguiu o que se propõe: fornecer a melhor solução para a coleta de dados mais representativa possível dentro de uma investigação geoambiental. Para esse caso, utilizando a Power Probe 9100-ATV para amostragem de solo Direct Push com as tecnologias Dual Tube e Piston Sampler, fazendo uso das molas "core catcher".
Isso para não dizer que poderia ser utilizado o piezocone de resistividade,...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Curso - Sondagem e Amostragem de Solo: Agosto/2017

Nos dias 14 e 15/08/2017, a ECD participou ativamente da 2a Edição dos Encontros Técnicos Sobre Áreas Contaminadas - Sondagem e Amostragem de Solo, promovido em conjunto pela AESAS e pelos cursos de Pós-Graduação em Gerenciamento e em Remediação de Áreas Contaminadas do SENAC.
Essa foi a segunda edição desse curso (confira sobre a 1a edição, em abril/2017 aqui), cujos docentes foram: Silvio Almeida, da Eurofins, Nilton Miyashiro, da Engesolos, e o Diretor Técnico da ECD, Marcos Tanaka Riyis.
Foram dois dias de intensa troca de informação e construção coletiva do conhecimento sobre a principal temática do curso, a amostragem de solo que, conforme já dissemos, passa a ser, com a nova DD-038 da CETESB, a etapa mais importante do processo de Investigação de Áreas Contaminadas.
O professor Nilton tratou das metodologias de coleta de amostras de solo, com destaque para o Dual Tube e o Piston Sampler, para a identificação das unidades hidroestratigráficas e seleção de amostras para análises …

Curso de Amostragem de Solo

Nos dias 17 e 18 de abril de 2017, aconteceu, no Centro Universitário SENAC de Santo Amaro, o Encontro Técnico de Áreas Contaminadas, com um workshop/curso sobre sondagens e amostragem de solo para compostos orgânicos voláteis (VOCs, no "jargão" das áreas contaminadas).
Esse evento foi uma realização conjunta entre a AESAS e a coordenação dos cursos de Remediação e de Gerenciamento de Áreas Contaminadas do SENAC, da qual Marcos Tanaka Riyis,  Diretor Técnico da ECD, faz parte, junto com o Coordenador dos Cursos, o Dr Rodrigo Cesar de Araujo Cunha.
O curso teve aulas teóricas e práticas, ministradas pelos docentes Marcos Tanaka Riyis, da ECD, Nilton Jorge Miyashiro, da Engesolos, e Silvio Almeida, do laboratório Eurofins/Anatech, e contou com apenas 30 vagas, rapidamente preenchidas pelos interessados em conhecer novas técnicas e abordagens sobre essa importante atividade dentro das investigações de áreas contaminadas, tema sobre o qual já desenvolvemos diversos textos aqui…

A ECD em 2014 - Retrospectiva

Após falarmos dos nossos 10 anos na postagem anterior, gostaríamos de compartilhar com nossos amigos o que aconteceu conosco nesse ano  que passou. Foi um ano fraco no sentido econômico, causado, provavelmente, pela baixa expectativa no seu início, devido aos grandes eventos nacionais e internacionais (Copa, Eleições), e que isso iria frear o crescimento econômico e a atividade industrial em 2014. Isso levou as indústrias, especialmente do Estado de São Paulo, a segurarem os investimentos e a fazerem apenas o estritamente necessário no Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Do meio para o final do ano, a crise hídrica no nosso estado potencializou essa "marcha lenta" e, como numa profecia que se auto cumpre, o crescimento do país foi baixo, de SP menor ainda, e na indústria paulista, houve resultados muito ruins. Os baixos resultados da indústria paulista, aliado a uma espera generalizada pelo que aconteceria com a CETESB e quais seriam as exigências decorrentes do Decreto 59…