Pular para o conteúdo principal

Curso - Sondagem e Amostragem de Solo: Agosto/2017

Nos dias 14 e 15/08/2017, a ECD participou ativamente da 2a Edição dos Encontros Técnicos Sobre Áreas Contaminadas - Sondagem e Amostragem de Solo, promovido em conjunto pela AESAS e pelos cursos de Pós-Graduação em Gerenciamento e em Remediação de Áreas Contaminadas do SENAC.
Essa foi a segunda edição desse curso (confira sobre a 1a edição, em abril/2017 aqui), cujos docentes foram: Silvio Almeida, da Eurofins, Nilton Miyashiro, da Engesolos, e o Diretor Técnico da ECD, Marcos Tanaka Riyis.
Foram dois dias de intensa troca de informação e construção coletiva do conhecimento sobre a principal temática do curso, a amostragem de solo que, conforme já dissemos, passa a ser, com a nova DD-038 da CETESB, a etapa mais importante do processo de Investigação de Áreas Contaminadas.
O professor Nilton tratou das metodologias de coleta de amostras de solo, com destaque para o Dual Tube e o Piston Sampler, para a identificação das unidades hidroestratigráficas e seleção de amostras para análises químicas de VOCs e para o Shelby como ferramenta para coleta de amostras indeformadas para a realização de análises dos parâmetros físicos do solo (densidade, porosidade, entre outros)
O professor Silvio tratou basicamente dos detalhes para a correta preservação em campo das amostras de solo para serem analisadas em laboratório para VOC, com destaque para as diferenças, vantagens e incertezas do uso do metanol, dos frascos herméticos (EnCore e outros), e dos frascos sem preservação (ou com água) com holding time limitado. Leticia Gemignani, sobre esse tema, apresentou os resultados do seu TCC apresentado no final do seu curso de Pós-Graduação em Gerenciamento de Áreas Contaminadas comparando os resultados das análises em amostras de solo preservadas com metanol e com água.
Marcos tratou, basicamente, da importância da amostragem de solo no processo de investigação, bem como da necessidade de desconstrução de alguns paradigmas equivocados, por exemplo, o de que "não de deve amostrar o solo na zona saturada", ou o de que "é possível definir o perfil com o solo que vem pelo espiral dos trados". Além disso, mostrou, na aula prática, quais as melhores práticas, tanto para a amostragem de solo quanto para a seleção da amostra a ser enviada ao laboratório.
Em resumo, foram dois dias muito intensos de importantes conversas e trocas que visam o crescimento da qualidade dos trabalhos no nosso mercado, que vai se refletir em uma melhora da qualidade ambiental do planeta.
Em breve, teremos mais cursos.

















Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Curso de Amostragem de Solo

Nos dias 17 e 18 de abril de 2017, aconteceu, no Centro Universitário SENAC de Santo Amaro, o Encontro Técnico de Áreas Contaminadas, com um workshop/curso sobre sondagens e amostragem de solo para compostos orgânicos voláteis (VOCs, no "jargão" das áreas contaminadas).
Esse evento foi uma realização conjunta entre a AESAS e a coordenação dos cursos de Remediação e de Gerenciamento de Áreas Contaminadas do SENAC, da qual Marcos Tanaka Riyis,  Diretor Técnico da ECD, faz parte, junto com o Coordenador dos Cursos, o Dr Rodrigo Cesar de Araujo Cunha.
O curso teve aulas teóricas e práticas, ministradas pelos docentes Marcos Tanaka Riyis, da ECD, Nilton Jorge Miyashiro, da Engesolos, e Silvio Almeida, do laboratório Eurofins/Anatech, e contou com apenas 30 vagas, rapidamente preenchidas pelos interessados em conhecer novas técnicas e abordagens sobre essa importante atividade dentro das investigações de áreas contaminadas, tema sobre o qual já desenvolvemos diversos textos aqui…

A ECD em 2014 - Retrospectiva

Após falarmos dos nossos 10 anos na postagem anterior, gostaríamos de compartilhar com nossos amigos o que aconteceu conosco nesse ano  que passou. Foi um ano fraco no sentido econômico, causado, provavelmente, pela baixa expectativa no seu início, devido aos grandes eventos nacionais e internacionais (Copa, Eleições), e que isso iria frear o crescimento econômico e a atividade industrial em 2014. Isso levou as indústrias, especialmente do Estado de São Paulo, a segurarem os investimentos e a fazerem apenas o estritamente necessário no Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Do meio para o final do ano, a crise hídrica no nosso estado potencializou essa "marcha lenta" e, como numa profecia que se auto cumpre, o crescimento do país foi baixo, de SP menor ainda, e na indústria paulista, houve resultados muito ruins. Os baixos resultados da indústria paulista, aliado a uma espera generalizada pelo que aconteceria com a CETESB e quais seriam as exigências decorrentes do Decreto 59…