Pular para o conteúdo principal

Amostragem de Solo para Recuperação de Áreas Contaminadas

Esse texto, escrito em 2014, trata da importância da amostragem de solo dentro do processo de Recuperação, ou Revitalização, de Áreas Contaminadas, particularmente na investigação e elaboração do modelo conceitual. Já tratamos diversas vezes do assunto amostragem de solo, e dissemos que essa amostragem tem de ser Direct Push, e mais ainda, deve ser Dual Tube, ou Piston Sampler ou Single Tube revestifa por Hollow Stem Auger, ou trados ocos helicoidais. Em breve publicaremos um artigo sobre essas diferenças e sobre as limitações das outras metodologias. Para ler os artigos anteriores, tem esse, sobre o Curso que ministramos em abril/17, esse, sobre uma aula prática que auxiliamos justamente para ajudar a ressaltar a importância de uma boa amostragem de solo, e esse, um artigo muito lido no nosso blog que fala sobre o porquê de amostrarmos solo na zona saturada.

Esse texto foi originalmente escrito para a Revista Pollution Engineering Brasil. Como a revista foi descontinuada, vou republicar alguns textos aqui no Blog da ECD, com alguma revisão. Segue o texto, que trata da importância da Investigação dentro do processo de Gerenciamento de Áreas Contaminadas



A Revitalização de Áreas Contaminadas passa pela Correta Investigação do Solo

As áreas contaminadas são reconhecidamente um problema para a saúde humana, para o meio ambiente e para a economia, e por isso, devem ser recuperadas. Para utilizar um termo da área, elas devem ser “Revitalizadas”. E o que significa esse termo? Significa que a área, após passar por todo o processo de gerenciamento, está apta para o uso declarado, ou seja, os responsáveis (legal e técnico) explicitam oficialmente qual o uso pretendido para a área (industrial, comercial, residencial), e para cada uso há um nível de intervenção necessário. 
Esse processo de recuperação visa reduzir o risco à saúde humana a níveis aceitáveis, e não tornar a área “isenta” de compostos químicos. Para reduzir esse risco, pode-se, como medida de intervenção, eliminar a via de exposição do receptor ou eliminar o agente causador do risco. Como medida para eliminar a via de exposição, temos as medidas de engenharia e de controle institucionais, como, por exemplo, a impermeabilização do solo para eliminar o contato do receptor com solo superficial contaminado, ou a proibição do consumo de água subterrânea. Como forma de eliminar o agente causador do risco, normalmente procura-se reduzir a concentração de compostos químicos “nocivos”, através de alguma técnica de remediação. 
Seja qual for o processo de revitalização escolhido para a área, a elaboração do Modelo Conceitual, ou seja, o entendimento de como os contaminantes interagem com o meio físico em subsuperfície nas quatro dimensões (as três espaciais e o tempo) é a etapa mais relevante de todo o processo, pois é com base nesse Modelo Conceitual que a avaliação de risco é elaborada e a medida de intervenção é proposta. 
A elaboração do Modelo Conceitual passa, obrigatoriamente, por uma correta investigação do meio subsuperficial, em particular, do solo e suas heterogeneidades. Por correta investigação, entende-se coletar amostras representativas, em quantidade suficiente, nos locais corretos (horizontal e vertical), com as ferramentas corretas e analisar os parâmetros (físico, químicos, estruturais, etc) corretos. 
Vamos imaginar uma área onde há concentração de algum composto químico na água subterrânea e essa concentração, para um cenário declarado (por exemplo, residencial), gera risco à saúde humana. Uma questão básica e fundamental para qualquer medida de revitalização dessa área é saber qual é a massa total de contaminante. O modelo tradicional de investigação preconiza que essa massa é calculada multiplicando-se a concentração medida no poço de monitoramento pelo volume que representa essa concentração e pela porosidade do solo. Esse modelo considera um meio homogêneo, o que obviamente é um erro, pois: a concentração representa uma média da seção filtrante, não a camada mais contamina; o volume considerado é muito grande e heterogêneo para ser representado por aquela amostra; e principalmente, considerar que a porosidade da amostra coletada é representativa de todo aquele volume de solo é, certamente, um erro muito grande. Isso faz com que a estimativa da massa total seja tão boa quanto um “chute” qualquer. 

(OBS: Em 2015, apresentamos um trabalho no 15o CBGE que fala sobre a estimativa de massa. O trabalho pode ser acessado aqui, e foi premiado como o melhor trabalho do RESID)
  
Se nem a massa total de contaminante pode ser estimada adequadamente com essa abordagem, o que dizer da distribuição espacial, da velocidade de migração, dos caminhos preferenciais, da previsão de concentração futura e do risco? Ao desconsiderar a heterogeneidade do solo, o profissional que está elaborando o Modelo Conceitual está, na verdade, praticando um jogo de adivinhação. 
Observa-se que, nesse exemplo, embora o risco venha de uma concentração de contaminante identificada na água subterrânea, é o solo que determina a distribuição e migração desse contaminante em subsuperfície, e, portanto, é o solo que deve ser investigado corretamente. Desta forma, se faz necessário, para que a revitalização da área ocorra de modo adequado, que a investigação leve em conta que o meio subsuperficial é extremamente heterogêneo, e essa heterogeneidade deve ser identificada, com ferramentas adequadas e dando a devida importância à amostragem de solo, a única forma de se obter dados representativos do que é a maior fonte de incertezas de toda a investigação. 
A investigação errada do solo pode fazer com que o custo ou tempo de revitalização da área esteja superestimado, ou, pior ainda, pode fazer com que seja declarada reabilitada uma área que, na verdade, ainda representa risco à saúde humana. E, avaliando os trabalhos realizados no passado à luz do conhecimento que se tem hoje, pode-se dizer com pouca probabilidade de erro que são raras as investigações conduzidas corretamente, portanto, as reabilitações custaram caro demais ou não foram adequadamente realizadas. 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Power Probe da ECD em Cubatão

Essa semana a Power Probe da ECD está realizando um trabalho em Cubatão. Como todos que trabalham com Investigação Geoambiental sabem, na região de Cubatão, o nível de água costuma ser raso e o solo é muito arenoso ou orgânico, típico de mangue. O trabalho realizado pela ECD era coletar amostras de solo com liner (via Direct Push) a até 5,0 m de profundidade. O nível de água do site era cerca de 0,5 m. Pode-se imaginar a dificuldade do trabalho.
A equipe de Investigação Geoambiental da ECD foi ao local com a Power Probe, recém adquirida da AMS  Inc, fábrica dos EUA. A única forma de obter amostras representativas era utilizando a ferramenta Piston Sampler. Alguns leitores podem perguntar o porquê dessa afirmação. Vamos tentar responder: Se o solo é muito arenoso ou com nível de água muito raso, a tendência é que o furo de sondagem desmorone, ou seja, caso seja utilizada a metodologia tradicional (Single Tube, Macro Core ou Open Hole, todas as definições para amostragem com o furo abe…

Novo Equipamento da ECD - Sonda Hollow Stem Auger no Trator

No início de fevereiro de 2010, a ECD colocou em funcionamento seu 4o equipamento mecanizado:
Depois de 2 Sondas Hollow Stem Auger montadas sobre caminhão e 1 Sonda Hidráulica Portátil, agora a ECD dispõe de um Trator como plataforma para uma Sonda Hidráulica Hollow Stem Auger. Além disso, ele ainda dispõe de um martelete hidráulico de alta capacidade acoplado, permitindo amostragem de solo contínua tipo "Dual Tube", ou concomitante com a sondagem com os Trados Ocos (Hollows), ou ainda a instalação de poços de monitoramento pré-montados (pre-packed).
A grande vantagem desse equipamento é a versatilidade de sites que ele pode trabalhar, pois existe muito pouca restrição ao seu acesso. Até agora ele trabalhou em um site que o caminhão não entrava devido ao pouco espaço e em um site onde foi preciso acionar a sua tração 4 x 4, por causa de um declive acentuado e um precário acesso em terra em um dia chuvoso. Graças à plataforma ser um trator traçado, o serviço foi executado.
Essa …

Sondagem Mecanizada é Cara?

Frequentemente os clientes entram em contato conosco na ECD e nos pedem alguma proposta para sondagem e instalação de poços de monitoramento. Em geral, sugiro o uso de algum equipamento mecanizado, com as dimensões compatíveis com o acesso ao local e ao escopo que o cliente precisa. Pode ser alguma das nossas sondas sobre caminhão, a nossa sonda sobre Trator ou a nossa sonda hidráulica portátil.
Muitas vezes, o cliente pergunta se não temos Trado Manual. Respondo que não, nossos equipamentos portáteis, por enquanto, são a sonda hidráulica portátil e os Trados Mecanizados ou Hidráulicos. Esses últimos para áreas com dificuldade de acesso para os outros equipamentos. Pergunto se ele prefere esses equipamentos portáteis por questões de acesso e, em geral, o cliente diz que prefere o Trado por questões de preço.
Sem entrar no mérito de preço x qualidade, pois sabemos que muitas vezes o orçamento disponível é muito restrito e o uso do Trado é a única alternativa, vamos contar uma breve his…